Dúvidas sobre Windows 7

O meu computador corre o Windows 7?

Todos os computadores que tenham o Windows Vista instalado, têm, sem excepção, as capacidades para executar o Windows 7.

Para aqueles que mesmo assim, tenham questões sobre a capacidade da máquina correr o Windows 7, podem descarregar a aplicação Windows 7 Upgrade Advisor. Esta, efectua uma análise ao seu computador e dá-lhe o resultado. Pode descarregar esta ferramenta em http://www.microsoft.com/windows/windows-7/get/upgradeadvisor.aspx .

Quero dar uma volta no Windows 7 antes de comprar. Como faço?

Infelizmente a versão RC (release candidate) já não está disponível.

A Microsoft disponibilizou-a durante vários meses e quem instalou pode usá-la até Junho de 2010.

Esteve disponível neste endereço: http://www.microsoft.com/portugal/windows/windows-7/default.aspx . Mas com o lançamento oficial do sistema operativo no final de Outubro, a Microsoft acabou com o período de testes.

Agora, só pode experimentar a versão Enterprise que está disponível neste endereço: http://technet.microsoft.com/pt-br/evalcenter/cc442495.aspx?ITPID=sprblog .

Estou a pensar comprar um computador. Já vem com Windows 7?

Se o comprar em Novembro e for uma máquina acabadinha de sair, de certeza que já vem com Windows 7.

No entanto, muitas máquinas serão ainda vendidas com o Windows Vista. A Microsoft já explicou que será disponibilizado o programa Opção de Actualização para Windows 7, que permite aos consumidores que comprarem um computador com Windows Vista, versões Home Premium, Business ou Ultimate terem acesso à actualização para Windows 7 referente à respectiva versão, sem qualquer custo adicional.

Quantas versões do Windows 7 vão existir?

Existem 3 versões: a Home Premium, a Ultimate e a Professional.

Tendo em consideração que o habitat familiar mudou muito nos últimos anos (mais de um computador por residência), a Microsoft decidiu lançar uma versão da Home Premium que se adequa a esta nova realidade. Chama-se Family Pack e permite que o sistema operativo seja instalado em até três computadores.

A instalação do Windows 7 é mais rápida do que a do Vista?

Sim, a Microsoft reduziu o número de quadros que necessitam de intervenção do utilizador e também colocou menos aplicações de raiz no sistema operativo. Aplicações como o Messenger, Photo Gallery e Movie Maker são agora oferecidos em download opcional dentro do pacote Windows Live Essentials.

Quanto me vai custar o Windows 7?

Windows 7 Home Premium: 199,99€

Windows 7 Professional: 309€

Windows 7 Ultimate: 319€

Posso instalar a versão final por cima da RC?

Sim, mas vai ter de efectuar uma instalação do zero. Ou seja, perder as aplicações instaladas. Existe uma forma de conseguir fazer a actualização do sistema, mas a Microsoft não a recomenda.

Tendo o Vista Ultimate, posso actualizar para o Windows 7 Home Premium?

Não. O Windows 7 só permite fazer upgrades para versões equivalentes do Vista. Ou seja, para actualizar para o Windows 7 Ultimate, só se tivesse o Windows Vista Ultimate. Se não for o caso, terá de fazer uma instalação do zero.

Quer dizer que vou perder tudo?

Só as aplicações instaladas. Já desde o Windows Vista que existe uma ferramenta (Windows Easy Transfer) que permite guardar as pastas que pretende aceder no novo sistema operativo.

Durante a instalação, vai ser criado um ficheiro chamado Windows.old. Este, contém esses ficheiros que podem, terminada a instalação, ser novamente copiados para os locais que desejar. As aplicações, essas, vai ter de as instalar novamente.

Então e se tiver o Windows XP?

O processo é igual. O upgrade para Windows 7 só é suportado a partir do Windows Vista.

É mais fácil utilizar o Windows 7 do que o Vista?

Mais fácil e mais apelativo visualmente. Criar uma nova pasta no Windows implica fazer dois cliques. No 7, existe um botão de Nova Pasta directamente na janela do Explorador do Windows.

E mais um, de dezenas de outros exemplos: pode mudar a resolução do ecrã com apenas dois cliques no rato. O menu do 7 está muito bem desenhado, com ícones apelativos e com um simples clique de botão podemos interagir com determinado equipamento.

O menu Iniciar foi retocado?

À primeira vista, não há grandes alterações entre o menu Iniciar do Vista e o do Windows 7. Mas é engano. Para além do brilho no botão redondo do Windows, a verdade é que as barras que surgem neste menu, estão diferentes.

A busca está mais limpa, quando começamos a fazer uma busca a janela fica toda limpa surgindo apenas os seus resultados. O mais curioso é que se clicar em ver mais resultados vai ter acesso a uma nova caixa onde o termo que inseriu na busca vai surgir sublinhado a amarelo. Algo que ajuda bastante visualizar os resultados procurados de forma mais rápida.

Agora também é possível pré-visualizar os programas que estão abertos na Barra de tarefas. Basta passar o cursor por cima do ícone para que surja uma miniatura da aplicação. Se deslocar o cursor para cima desse pequeno quadrado, a janela é maximizada e pode ver o programa em pormenor. Para o utilizar, basta clicar no rato.

Esta nova funcionalidade é excelente para quem trabalha com muitas janelas em simultâneo e perde o fio à meada com frequência. Assim, consegue saber o que está em cada janela sem grande esforço.

O Windows 7 só carrega, por definição, cinco ícones. O ícone que mostra o Ambiente de Trabalho não é considerado nestes cinco.

Já não há gadgets?

A barra lateral do Windows Vista já não existe no 7. Mas basta pressionar com a tecla direita do rato no Ambiente de Trabalho para aceder ao botão Miniaplicações. Depois, o funcionamento é semelhante ao Vista.

E segurança? O 7 é o mais seguro de sempre?

Sim, a Microsoft fez um grande esforço para tornar o Windows 7 uma verdadeira fortaleza. O Windows 7 estreia o Centro de Acção. Este é um aperfeiçoamento do Centro de Segurança que estreou com o Service Pack 2 do Windows XP.

O Centro de Acção dá acesso directo às ferramentas de segurança, manutenção e cópia de segurança do Windows 7. Também é o responsável por emitir avisos sempre que algo não está bem. Por exemplo, se é preciso actualizar o antivírus ou o Windows.

O Windows 7 inclui o Windows Defender (com protecção anti-spyware) e a Microsoft já está a disponibilizar nos Estados Unidos uma beta do Microsoft Security Essentials. Para não ser acusada de monopolista, a empresa decidiu oferecer estes programas como opcionais.

Acabaram aqueles avisos de segurança sempre que queremos instalar ou mexer em qualquer coisa do sistema?

Não acabaram. Mas agora é mais fácil controlar a “sensibilidade” do Controlo de Conta do utilizador. Há um menu mais simples de perceber e o número de acções que despoletam avisos é inferior às que existiam.

A voar com o Aero…

Maximizar: abra uma aplicação qualquer sem a maximizar. Se arrastar a janela para o topo do ambiente de trabalho, esta é maximizada. Se a arrastar para os lados, vai abrir, mas adequando-se a essa orientação, ou seja, ocupa apenas o lado para onde foi arrastada.

Aero Shake: Nunca foi tão fácil de fechar, de uma vez só, todas as janelas do Ambiente de Trabalho e ficar só com a que lhe interessa. Basta clicar com o botão esquerdo do rato sobre a janela pretendida, manter o botão apertado, e sacudir vigorosamente o rato de um lado para o outro. As outras janelas caem literalmente, para a barra de tarefas, ficando aberta apenas aquela onde tem o rato.

Aeropeek: existe um novo botão que mostra o Ambiente de Trabalho automaticamente (está na área de Notificação, ao lado do relógio). Basta passar-lhe o cursor do rato por cima para que todas as janelas fiquem transparentes. Se clicar mesmo no botão, as janelas são minimizadas.

Windows Flip: pressionar o conjunto de teclas Alt+Tab permite escolher rapidamente entre uma de várias janelas abertas, que podem ser de aplicações ou do próprio Windows. Agora, ao pressionar estas teclas, pode escolher entre as janelas sendo que, agora, quando está a seleccionar uma janela, esta é pré-visualizada em formato maximizado.

O que é o “Bit Locker to go”?

O Windows Vista já o tinha estreado. É uma funcionalidade que permite proteger com encriptação todos os dados contidos dentro de determinado disco rígido. Agora, nas versões Ultimate e Enterprise, o Windows 7 faz o mesmo, mas para qualquer suporte de armazenamento amovível. Um disco rígido portátil ou mesmo uma pen drive. O sistema é muito simples de utilizar e é compatível com todos os formatos FAT, bem como NTFS.

CPU Core i7 compensa?

Afinal, é preferível ter um CPU com maior frequência ou um CPU com mais núcleos de processamento?

A proliferação de processadores com quatro núcleos tem criado uma dúvida frequente: “devo optar por um processador quad core ou é preferível um dual core com mais megahertz?”

Claro que o ideal seria escolher um CPU com o máximo número de núcleos e a máxima frequência, mas as limitações orçamentais impedem esta escolha.

Para percebermos esta diferença, podemos fazer um paralelismo: é o mesmo que termos duas equipas, uma constituída por quatro pessoas e a outra constituída por duas pessoas. Se todas as pessoas apresentarem o mesmo ritmo de trabalho, então a equipa de quatro tem o dobro do potencial de trabalho da equipa de duas pessoas. Simples.

O problema da multitarefa

A situação torna-se, no entanto, mais complicada quando analisamos o tipo de tarefa a realizar. Por exemplo, se o objectivo for semear uma seara de trigo, então só teríamos de dividir a área a semear pelos elementos das equipas, o que significaria que a equipa de quatro elementos seria capaz de semear a mesma área em metade do tempo da equipa de duas pessoas.

Mas se a tarefa for outra, mais difícil de dividir, o resultado pode ser bem diferente. Imagine-se, por exemplo, que o trabalho é dactilografar uma carta manuscrita. Uma única pessoa será capaz de o fazer. Quanto muito, existirá um aumento de desempenho se se utilizar duas pessoas: uma para ditar a carta manuscrita e outra para dactilografar. Mas, nesta tarefa, a equipa de quatro pessoas não terá vantagens sobre a equipa de duas pessoas. Na realidade, duas pessoas mais rápidas serão capazes de realizar esta tarefa mais eficientemente do que quatro pessoas um pouco menos expeditas.

Ou seja, a vantagem de um processador de quatro núcleos sobre um processador de dois núcleos tecnologicamente idêntico, mas com um pouco mais de frequência, nem sempre é uma realidade. Depende das tarefas que são realizadas no PC.

Os programas de render mais recentes dividem as imagens a processar pelos diferentes núcleos.

Quatro ganham mais criatividade

Só as aplicações com elevado nível de paralelismo ganham com os núcleos extra. Os melhores exemplos são as tarefas de render, como o CineBench R10 e o Blender, onde é naturalmente fácil dividir o trabalho – cada core fica com uma parte da imagem a processar.

Mas nos jogos a situação muda de figura. Como se esperava, aqui é muito mais difícil dividir o trabalho pelos diferentes cores. Na realidade, a componente dos jogos com maior paralelismo é o grafismo, mas este é processado pelas placas gráficas. No Crysis, que ainda é o jogo mais exigente do mercado, os dois cores a 2,9 GHz ganham os quatro cores a 2,6 GHz. No Far Cry, um dos jogos que mais aproveita o multiprocessamento, existe uma vantagem em ter mais núcleos, mas só em resoluções mais baixas. Quando se aumenta o nível de qualidade do jogo, a placa gráfica acaba por impor o limite.

Conclusão:

Se é, sobretudo, um jogador, ainda é preferível optar por um processador de dois cores de maior frequência e, sobretudo, investir na placa gráfica.

Quem ganha mais com a utilização de quatro núcleos são os profissionais da área criativa, sobretudo aqueles que têm muitas vezes de fazer renders “pesados” em aplicações como edição de vídeo, modulação 3D e edição de fotos.

As produtoras de software apostam cada vez mais no desenvolvimento de programas que possam tirar partido desta arquitectura.

A este respeito, diga-se que o Windows 7, não só tira maior partido directo de vários núcleos, como distribui melhor os programas que se executam em simultâneo. E, como é fácil se perceber, cada vez mais trabalhamos com várias aplicações em simultâneo.

Falar sobre Nintendo baixa preço da Wii – MSN Technologia – Notícias

Citar

Nintendo baixa preço da Wii – MSN Technologia – Notícias
Nintendo baixa preço da WiiOs mais entusiasmados que se contenham. A notícia ainda só está confirmada para os Estados Unidos, mas como se sabe estas coisas espalham-se. O anúncio foi feito hoje. Veio do Japão e significa boas notícias para quem pensa em comprar a consola que meteu meio mundo a dar aos braços para jogar. Nos Estados Unidos a Wii vai sofrer uma redução de preço de 50 dólares. Passará a custar 199 dólares. Na Europa se o número do desconto for o mesmo, significa que a consola passará a custar 199 euros. Há várias semanas que se especulava sobre a descida de preço da consola, sobretudo porque a Xbox e a PlayStation 3 tiveram preço revisto este verão. A Nintendo, embora se mantenha na liderança de vendas, acabou por seguir a tendência da concorrência e rever o preço da sua bem sucedida consola também. Os descontos da concorrência foram de 100 euros no caso da PS3 e de 50 euros no caso da Xbox. Custam agora 299 e 250 euros, respectivamente.