Afinal o Windows Media Center pode ser instalado no Windows 10

O Windows Media Center foi, até à chegada do Windows 10, um dos softwares mais usados pelos utilizadores do sistema operativo da Microsoft.

A decisão que a Microsoft tomou de o deixar fora do Windows 10 não foi do agrado dos utilizadores, mas agora surgiu a possibilidade de voltar a ser instalado, mas de forma não oficial.

A decisão da Microsoft de não permitir que o Windows Media Center fosse instalado no Windows 10 deixou muitos utilizadores descontentes, tendo muitos ponderado se realmente valeria a pena fazer a actualização, pelo menos imediata.

A alternativa não é a melhor, tendo ainda por cima um custo de 15 euros, algo que muitos não entendem e não aceitam.

As alternativas existem desde o primeiro dia, mas muitos preferiam ter o bom e fiel Windows Media Center.

Felizmente um grupo de utilizadores do Fórum MDL encontraram uma forma de trazer de volta o Windows Media Center, conseguindo-o instalar no Windows 10.

Os passos a serem seguidos não são complicados e estão explicados abaixo:

  1. Descarregar e descomprimir o ficheiro “WindowsMediaCenter_10.0.10134.0.zip” que podem encontrar neste link.
  2. Procurar o ficheiro”_TestRights.cmd“, clicar com o botão direito e escolher a opção “Correr como Administrador“.
  3. Surgirá uma janela de comandos, que executará um conjunto de instruções. No final reinicie o seu PC.
  4. Procure o ficheiro “Installer.cm,” clique com o botão direito e escolha a opção “Correr como Administrador“.
  5. Quando a instalação terminar será apresentada uma mensagem com o texto “Press any key to exit.”

Agora que o Windows Media Center está instalado só precisam de o procurar na pesquisa e depois fixarem-no na barra de tarefas ou no Menu Iniciar.

Tal como antes esta excelente aplicação vai estar disponível para terem acesso aos vossos conteúdos, numa interface própria e com todas as funcionalidades que precisam.

Quem achava que o Windows Media Center tinha morrido de vez e que a Microsoft não o traria de volta enganou-se. Não é uma distribuição oficial, mas consegue trazer de volta o Windows Media Center a todos os que o queriam no Windows 10.

Fonte: Afinal o Windows Media Center pode ser instalado no Windows 10

Criar uma conta de convidado no Windows 10

Quantas vezes recebemos amigos e família na nossa casa e estes pedem-nos para usar o nosso PC para consultar na Internet algo?

Aparentemente não tem mal nenhum mas como o nosso PC guarda informação pessoal (ex. mensagens, fotos, etc) é preferível que “os convidados” usem uma conta limpa, sem acesso à restante informação do PC.

Apesar do Windows 10 ter perdido tal funcionalidade, hoje ensinamos como criar uma conta de convidado.

Como referido, o Windows 10 perdeu a funcionalidade que permitia criar uma conta de convidado. No entanto podemos contornar tal situação criando uma “conta família”. Para isso basta que sigam os seguintes passos:

Passo 1) Ir a Definições e depois Contas

convidado_01

Passo 2) Escolher a opção “Família e outros utilizadores” e depois do lado direito escolher a opção“Adicionar outra pessoa a este PC”

convidado_03

Passo 3) Escolher agora a opção “A pessoa que pretende adicionar não tem um endereço de e-mail

convidado_04

Passo 4) Em seguida vamos indicar que pretendemos Adicionar um utilizador sem uma conta Microsoft

convidado_05

Passo 5) Por fim indicamos um nome para a conta (curiosamente não deixa que seja convidado/convidados), definimos uma password e a típica sugestão para lembrar da password.

convidado_06

E está feito. Agora basta que façam logout do sistema e podem testar entrando com o novo utilizador Pplware criado tal, como mostra a imagem de inicio deste artigo.

Fonte: Windows 10: Tem convidados em casa? Crie-lhes uma conta no PC – Pplware

Windows 10 espia as crianças e envia relatórios aos pais

Apesar de toda a popularidade, o Windows 10 tem recebido algumas críticas ao nível da privacidade.

Agora há informações que este “novo” sistema da Microsoft consegue “espiar” as crianças e enviar o respectivo relatório das actividades aos pais.

A informação está a ser avançada pelo site boingboing que publicou um testemunho de um utilizador relativamente a este assunto. De acordo com o site, o pai actualizou (Do Windows 8 para o Windows 10) o PC do filho de 14 anos tendo começado a receber posteriormente informação sobre os sites que o filho visitou, quantos minutos esteve em cada site, etc.

I don’t want this. I have no desire to spy on my boy. I fixed it by going into my Microsoft account’s website, hitting the “Family” section, then turning off “Email weekly reports to me” and “Activity reporting”.

OK, I admit that the timing might be coincidental but that would be one hell of a coincidence. I’ve never seen anything like this until we upgraded to Windows 10, and then I got the spy report the following business day.

A message to young readers: if you have Windows 10 now, your parents might be getting the same kind of report I did. Don’t assume your own computer has your back.

Na verdade esta é uma opção que já vem desde o Windows 8 mas a Microsoft agora activou, por omissão no Windows 10.

windows10_menor

Apesar de ser uma política interessante é importante que se revejam todas as opções que estão activas por omissão. A Microsoft também já se pronunciou sobre esta questão referindo que continuará a lançar novas funcionalidades relacionadas com a família (ou melhor, na forma como uma família poderá partilhar equipamentos).

We will continue to roll out new Windows 10 Family features over time. We designed Windows 10 as a service, and we’ll keep listening to our customers. If there are ways to make improvements, we will do so.

Fonte: Windows 10 espia as crianças e envia relatórios aos pais – Pplware

Dica: Testou o Windows 10 e quer voltar para a versão anterior?

O assunto do momento é o Windows 10. Lançado na passada quarta feira tem estado a ser instalado nas máquinas dos utilizadores, de forma gradual, e começa agora a ser usado em larga escala.

Algo que acontece naturalmente é que alguns utilizadores, pelas mais variadas razões, acabaram por não gostar do Windows 10 e querem por isso reverter a sua instalação.

A Microsoft tem essa possibilidade acessível e vamos agora explicar como pode ser usada.

A decisão de desinstalar o Windows 10 e voltar para o Windows 7 ou para o 8.1 tem estado a ser tomada por alguns utilizadores.

A causa principal está em problemas com hardware que surgiram, e que na maior parte dos casos é culpa do fabricante, que não disponibilizam drivers para o Windows 10.

Para precaver esta situação a Microsoft tem disponível nas configurações a possibilidade de ser feito o processo inverso e trazer os utilizadores de volta ao à versão anterior do Windows.

É importante terem presente que esta opção apenas pode ser usada em instalações do Windows 10 que tenham resultado de uma actualização. As instalações de raiz, por razões óbvias, não podem ser revertidas com este método.

Caso tenham criado contas depois de ter feito a actualização do Windows 10 devem removê-las.

Como voltar à versão anterior do Windows

O primeiro passo para realizar o processo de reverter ao Windows 7/8.1 começa com o acesso às definições. Para isso abram o novo Menu Iniciar e escolham a opção Definições (Settings).

Na janela das definições devem escolher a opção Actualizar e Segurança (Update & security). Esta deve ser a última da lista disponível.

Acedam depois a Recovery, disponível na coluna da esquerda. A opção que procuram é Voltar ao Windows 7 (Go back to Windows 7). Caso tenham feito a actualização sobre o Windows 8.1 será esse o nome a aparecer.

Carreguem no botão Introdução (Get Started) para iniciarem o processo de regressão para a versão anterior.

O primeiro passo deste processo é a indicação da razão pela qual querem reverter para a versão anterior. A Microsoft recolhe essa informação para poder melhorar o Windows 10.

São várias as opções disponíveis. Escolham a que mais se adequa ou simplesmente escolham outra razão e expliquem na caixa de texto.

De seguida são apresentados alguns alertas ao utilizador sobre as acções que deverá tomar após a remoção do Windows 10.

É ainda dado o alerta de segurança para a necessidade de saber a password da conta que tinha antes criada. Sem essa palavra passe o utilizador não tem depois acesso ao Windows.

O último passo é a indicação para inicio do processo de remoção do Windows. Este é o último ponto onde pode ser cancelada o processo.

Após alguns minutos, em que o Windows realiza alguns passos de forma automática e onde são feitos alguns reinícios do sistema, a vossa versão anterior do Windows estará de volta.

Ponderem bem a decisão de remover o Windows 10. É ainda um sistema operativo novo, mas que tem estado a ser testado de forma exaustiva pela comunidade Insider.

As mudanças na interface são várias, mas seguem o que foi pedido pela maioria dos utilizadores. Testem e adaptem-se, este é um Windows novo, melhor e muito mais capaz.

Fonte: Dica: Testou o Windows 10 e quer voltar para a versão anterior?

Informações sobre Windows 10

Hoje é dia de Windows 10. Desde a meia-noite que a Microsoft começou a disponibilizar gratuitamente a versão mais recente do sistema operativo mais instalado no planeta. E não tem de procurar mais: estão aqui as respostas a todas as suas dúvidas.

O que faço para receber o Windows 10?

Se utiliza versões legais do Windows 7, 8 ou 8.1 (Home ou Pro) deve ter recebido uma notificação de sistema (é um símbolo do Windows que fica no tabuleiro de sistema, junto ao relógio) a avisá-lo para a oferta do 10. Deve clicar nesse ícone e reservar a sua cópia. Nesse momento, é feita uma análise ao computador para atestar da sua compatibilidade com o Windows 10. Caso tudo esteja correto, o seu sistema fica elegível para receber o software.

Quando é que o Windows 10 começa a ser disponibilizado?

Amanhã, dia 29 de julho, a Microsoft vai lançar uma atualização que é, essencialmente, a nova versão do sistema. A partir desse dia, utilizadores em todo o mundo vão começar a ser notificados de que podem fazer o download do ficheiro.Atenção: nesta fase o Windows 10 só vai estar disponível por download. No entanto, a Microsoft esclarece que a atualização também pode ser feita nas lojas de retalho que possuam serviços de assistência técnica. O serviço vai ter um preço que começa nos 19 euros. Sendo que nos dias 29 e 31 de julho o serviço será prestado de uma forma gratuita. Algo que, acreditamos, foi criado para ajudar os utilizadores menos familiarizados com estes processos.

A partir do dia 20 de agosto, todos os que não tenham máquinas elegíveis para a atualização gratuita vão poder comprar o sistema nos principais retalhistas que operam em Portugal. Os preços? As versões Home, Pro e Pro Pack têm um preço recomendado de 135€, 279€ e 159€, respetivamente. A versão Pro Pack só vai estar disponível mais à frente.

A Microsoft garante que todas as máquinas compradas agora ou durante este período de 12 meses têm acesso à atualização gratuita do sistema. A versão disponibilizada amanhã está disponível no “nosso” Português.

Quer dizer que vou receber o sistema amanhã?

Não. A disponibilização do Windows vai ser gradual e também depende, em parte, dos fabricantes dos computadores. Por isso, não se preocupe se o seu computador não for atualizado amanhã.

Mas é mesmo gratuito?

Sim. Durante 12 meses a seguir ao lançamento o Windows 10 é totalmente gratuito para quem tem versões originais do Windows 7, 8 e 8.1 e vai manter-se assim durante o “tempo de vida da máquina”. Ou seja, enquanto utilizar o dispositivo onde o instalou, o sistema não terá custos e dá direito às atualizações de segurança e, até, a novas funcionalidades. E não se preocupe: caso aconteça alguma coisa ao disco rígido do computador é sempre possível voltar a reinstalar o Windows de forma gratuita.

Aqui fica a explicação oficial dada pela Microsoft Portugal: “O que estamos a fazer no upgrade de Windows 10 é atribuir direitos de upgrade a uma licença de Windows 7 ou 8.1. Isto significa que a licença original de Windows instalada no computador fica associada à “nova licença” de Windows 10. Esta associação acontece sempre, independentemente do upgrade ser feito por download das ISO files ou automaticamente pelo Windows update, já que fica registada nos nossos servidores de ativação, que também validam a licença original do dispositivo. O upgrade fica assim válido apenas para essa máquina, que tem o registo da licença na BIOS/UEFI no caso de ser uma licença pré instalada de origem, ou com a chave de ativação do sistema operativo caso ele tenha sido comprado no retalho.”

Tenho vários dispositivos com Windows, posso atualizar todos?

Sim. Convém, apenas, que faça uma reserva em cada um.

E depois vai ser subscrição? Como o Office?

Ainda não está definido o modelo de negócio. O que sabemos por parte da Microsoft é que não vai ser praticado um modelo de subscrição igual ao do Office 635. Ou seja, após o ano de benesse, quem quiser o Windows 10 vai ter de pagar por ele pagando os preços já referidos.

Mas vou ter direito a todas as atualizações?

Mais do que isso. Pela primeira vez, além dos pacotes de segurança, a Microsoft também vai disponibilizar novas funcionalidades nas atualizações. Ou seja, não vai ser necessário esperar pelo lançamento de uma nova versão para conseguir fazer mais coisas no Windows. É o que acontece, por exemplo, no Facebook. A Rede Social lança novas funcionalidades com muita regularidade e os utilizadores adaptam-se às mudanças.

O que acontece aos Windows que não são legais?

À semelhança do que acontece no Windows 8 (e em outros Windows), vão começar a perder funcionalidades no sistema e a receber avisos para legalizar o sistema. Em muitos casos, a atualização nem vai funcionar. Opções em como tornar o Windows legal podem ser encontradas neste site oficial: http://windows.microsoft.com/pt-pt/windows/genuine

A minha máquina é compatível?

Se já tem o Windows 8 ou 8.1, o seu computador vai correr, de certeza, o Windows 10. De qualquer forma, quando reservar o 10 é efetuada uma análise de compatibilidade ao seu dispositivo. Mas para que não fiquem dúvidas, a lista de requisitos mínimos é esta:

Sistema operativo atualizado (Windows 7 SP1 ou Windows 8.1 Update)

Processador a 1 GHz ou superior (ou Sistema num Chip – SoC)

1 GB de memória para a versão de 32 bits ou 2 GB para a de 64 bits

Espaço em disco: 16 GB para 32 bits ou 20 GB para o de 64 Bits

Gráficos: DirectX 9 ou superior

Ecrã: 1024×600 px

Não tenho nenhum aviso para reservar o Windows 10! O que faço?

A Microsoft esclarece que pode estar a acontecer uma destas coisas:

O seu computador não está atualizado; o Windows Update está desligado ou configurado para não receber atualizações automaticamente; o seu Windows não é legítimo.

Para resolver esta questão deve ligar o Windows Update e atualizar a sua máquina para a versão mais recente do Windows.

Que versão vou receber?

Tem o Windows 8.1 Home? Recebe a Windows 10 Home. As versões Windows 7 Starter, Home Basic e Home Premium… recebem a Windows 10 Home. É importante referir que o Windows 10 só vai estar disponível em duas versões: Windows 10 Home e Windows 10 Pro.

Como é que o instalo?

O download do Windows 10 é um ficheiro que tem quase 4 GB. Os servidores da Microsoft são rápidos, por isso a espera não é longa. Claro que a experiência varia consoante a largura de banda que tem disponível no local onde vai descarregar o ficheiro. Relembramos que vai receber o alerta como uma notificação do sistema e será só seguir os passos indicados para conseguir aceder ao respetivo ficheiro.

Vou perder tudo?

Depende do seu objetivo. Haverá (pelo menos na instalações que fizemos das versões técnicas existiam) três opções: a primeira mantém apps e ficheiros; a segunda só os ficheiros; a terceira limpa tudo e instala o Windows 10. Deve optar, claro, por aquela que mais se ajusta às suas necessidades. Nas instalações de teste que fizemos, optámos pela primeira opção e o sistema manteve-se, sempre, inalterado. Ou seja, não perdemos nada. Também fizemos uma instalação limpa sem problemas. Como diz o ditado “o seguro morreu de velho”, aconselhamos sempre a que faça uma cópia de segurança dos seus ficheiros para um dispositivo externo e, claro, não apague a partição onde está a cópia de segurança do sistema.

Os programas que tenho vão continuar a funcionar?

Em princípio, todas as aplicações desenhadas para o Windows 7 e 8 vão correr no 10. Programas que têm muitas atualizações (antivírus, por exemplo), vão receber atualizações por parte dos seus editores para que continuem a ter o mesmo comportamento nesta nova versão do Windows. Mas isso depende dos editores. Podem existir alguns problemas com aplicações desenhadas pelos fabricantes e incluídas de raiz nos dispositivos. Também elas terão de ser atualizadas por quem fez o software. Dispositivos como, por exemplo, scanners e impressoras podem deixar de funcionar, caso o fabricante não atualize o software para o Windows 10. O centro de compatibilidade do Windows ainda não está a equacionar a versão 10, mas poderá tirar dúvidas aqui: http://www.microsoft.com/pt-br/windows/compatibility/CompatCenter/Home

Fica o aviso: há aplicações que podem ser sinalizadas quando é efetuada a vistoria que antecede a instalação do 10. Essas podem ser removidas para garantir a estabilidade do sistema. Mas não se preocupe, nada é apagado sem que seja avisado antes.

O Windows 10 herda tudo o que utilizo hoje?

Há coisas que vão desaparecer. O Media Center, por exemplo. Ou seja, será necessário recorrer a uma aplicação terceira para ler DVDs. Outra diferença: o Windows Update vai estar ligado por definição. Ou seja, o sistema vai procurar e instalar as atualizações automaticamente. Isto na versão Home. As versões profissionais (10 Pro e 10 Enterprise) dão autonomia ao utilizador para poder escolher as atualizações a fazer.

Esqueça os gadgets do Windows 7. E não, não há alternativa a estas míni aplicações no Windows 10. Se utiliza o Windows Live Essentials, vai reparar numa alteração: a aplicação OneDrive foi removida e substituída pela versão Web do OneDrive.

E a Cortana? Já vem a falar português?

Não e a Microsoft Portugal confirma que ainda não há data para que a assistente pessoal do Windows fale Português. Para já, a Cortana só fala em Inglês, Chinês, Francês, Italiano, Alemão e Espanhol. Mas a barra de busca universal está disponível. Ou seja, pode fazer buscas dentro do sistema operativo e na Web.

E AS NOVIDADES?

É uma verdadeira mescla do melhor do Windows 7 com o pouco de bom que trouxe o Windows 8. O produto final apresenta algumas novidades. A mais celebrada é o regresso do saudoso menu Iniciar.​

Um adeus quase final aos azulejos dinâmicos

A interface com os azulejos dinâmicas, a tal que rivalizava com o clássico Ambiente de Trabalho perdeu muita da sua relevância. Agora, sempre que liga o computador, o Windows 10 pode ter três comportamentos: entrar em modo tablet, ir para o Ambiente de Trabalho, carregar o modo em que estava anteriormente. Ou seja, pode ir para o Modo tablet que é o que conhecemos hoje como o dos azulejos dinâmicos. Por isso, este modo não desapareceu. Está é mais escondido e deverá aparecer por definição em tablets, por exemplo.

O menu iniciar está de volta!

É das melhores notícias do Windows 10. O “velho” Iniciar está de volta, mas com muitos retoques estéticos. Basicamente, estamos perante um mashup de ambas as interfaces. Clicar no botão Windows dá acesso, no lado esquerdo, às aplicações mais usadas, às que foram adicionadas recentemente, ao Explorador de Ficheiros, às Definições, ao Power e ao menu Todas as Aplicações. Do lado direito, encontramos atalhos para os tais azulejos dinâmicos que estão na outra inferface. Ou seja, é possível arrancar, a partir daqui, apps Windows e programas. Um bom sistema de atalhos que pode ajudar a manter o Ambiente de Trabalho limpo de ícones. Um clique com o botão direito em cima do símbolo Windows dá acesso aos menus clássicos do Windows – exatamente como no Windows 8.

Ainda não há Cortana, mas…

… a Microsoft recuperou o botão de busca para o menu Iniciar. Ocupa uma área generosa na Barra de Tarefas e permite fazer buscas na Web e dentro do Sistema. A versão preview da busca que estamos usar (a mais recente ao dia 11 de junho), tem um comportamento semelhante à do Windows 8. Ou seja, começamos a escrever e a indexação feita ao sistema produz resultados. Para pesquisarmos na Web, carregamos no botão com o mesmo nome. A grande mais valia será mesmo a Cortana. Mas para isso nós, portugueses, ainda vamos ter de esperar.

Finalmente! Vários Ambientes de Trabalho!

Há um pequeno botão junto à barra de pesquisa que dá acesso a um privilégio que, até agora, estava vedado aos utilizadores Windows e disponível a quem utiliza outros sistemas operativos (Mac OS, por exemplo). Falamos de vários Ambientes de Trabalho. Ou seja, pode ter um conjunto de aplicações abertos num ambiente e saltar rapidamente para outro ambiente onde tem diferentes aplicações a correr. Isto vai dar muito jeito principalmente aos utilizadores profissionais.

Calma, os menus clássicos do Windows continuam!

Como já explicámos, continua a ser possível aceder aos menus clássicos do Windows bastando para isso clicar com o botão direito sobre o botão Windows. Nesse momento, o rato volta a ser a interface ideal e, qualquer um que já tenha utilizado este sistema, vai orientar-se nas opções. Curiosamente, as opções são as mesmas que temos hoje quando fazemos o mesmo no Windows 8.1.

As notificações ganharam nova vida

Todos sabemos o quão importantes são as notificações que recebemos no telefone e no tablet. A Microsoft pegou nessa necessidade e resolveu-a no Windows 10 com um novo centro de notificações. Acessível a partir do tabuleiro de sistema, mostra as notificações do sistema ao mesmo tempo que dá acesso a alguns atalhos. Bastante generosa em modo PC, organiza as notificações por hora e, sempre que há alterações, surgem pop ups que nos alertam para essas mudanças. Há um menu onde pode definir-se o que é e como é mostrada a informação que surge nesta área.

Restyling de apps

Música, fotos e, por exemplo, Mapas. Estas apps sofreram uma profunda mudança estética e, até, de funcionalidades. A app fotos reúne as fotos e vídeos que faz com qualquer dispositivo e que, claro, estão guardadas localmente ou no OneDrive. Supostamente terá a capacidade de criar álbuns automaticamente (como faz o Google Fotos), mas o processo ainda não deve estar a funcionar porque não conseguimos ter nenhum álbum concretizado dessa forma. A app de música também foi retocada, mas mantém-se, na essência, a funcionar da mesma forma. Nesta build a aplicação Pessoas não estava a funcionar. Tentávamos abri-la e desligava-se quase automaticamente.

O novo menu de Definições

Claro que o clássico Painel de Controlo continua disponível. No entanto, à semelhança do que aconteceu no Windows 8, a Microsoft criou uma versão mais amiga do toque. Este painel de definições (nesta versão em Inglês, acede-se no menu Iniciar tocando em Settings) tem nove áreas. Todas de acesso rápido às principais definições do sistema.

Windows Holográfico

É uma das novidades mais vistosas do Windows 10. Esta plataforma vai permitir a fácil criação de hologramas com os quais podemos, depois, interagir usando os Hololens – uns óculos de Realidade Aumentada de que já lhe falámos na edição 239, maio. O Windows 10 traz a aplicação 3d Builder que permite a criação de objetos tridimensionais que podem, depois, ser visualizados em pormenor com estes óculos e, até, impressos numa impressora 3D.

Continuidade

Já lhe falámos na facilidade com que o Windows 10 se adapta rapidamente a convertíveis. Esta continuidade, como a Microsoft lhe chama, dá uma uniformidade impar à experiência final de utilização. Não é preciso alternar entre sistemas ou abrir apps específicas. O sistema deteta a rotação ou a ausência do teclado para propor a mudança de modo. Faz maravilhas pela utilização.

O poder do Snap

O Windows 8 facilitava a colocação de até três apps em simultâneo no ecrã. O Windows 10 também, mas vai mais longe. Quando tem várias aplicações abertas é possível arrastá-las para o canto do ecrã e ver como o sistema as organiza automaticamente para que as possa ver, a todas, abertas ao mesmo tempo. Simples e eficiente.

Mapas Offline

A aplicação de Mapas está muito melhor. Essencialmente porque herda algo que o Windows Phone já faz há algum tempo: a possibilidade de descarregar mapas para consultar offline. Ou seja, pode ter o mapa de Portugal (ou de todos os países europeus, por exemplo) carregado no tablet ou portátil e utilizá-lo sem ter de ligar-se à Internet.

A app Xbox e as apps universais

Há uma série de aplicações que vão ter o mesmo comportamento e layout independentemente do dispositivo que esteja a utilizar-se. As únicas alterações no design da app serão condicionadas pelo tamanho do ecrã. Uma nova app de Outlook vai funcionar exatamente da mesma forma em todos os dispositivos, mas mostrar, mais ou menos menus, consoante a área de trabalho disponível.

No entanto, a maior novidade é a aplicação Xbox. Nesta primeira fase, será possível fazer chat com os amigos, a mensagens, à atividade dos amigos… mas o melhor vem depois. Vai ser possível fazer stream de jogos diretamente da Xbox One para outros dispositivos. O PC ou tablet, por exemplo. Os dispositivos só têm de estar na mesma rede.

Fonte: Tudo sobre o Windows 10