ASP.NET–State Management

ASP.NET – State Management

Criado por Henrique Graça em 14 de Dezembro de 2010 | 9 comentários

Estamos de volta com mais um tutorial sobre ASP.NET. Hoje iremos falar sobre State Management numa aplicação ASP.NET. Fiquem atentos e participem neste brainstorming de programação.

1. State Management

Nenhuma framework Web, por muito avançada que seja, pode alterar o facto de o protocolo HTTP ser stateless (não guarda o estado entre Requests). Depois de cada Request, o cliente desliga-se do servidor e o ASP.NET descarta os objectos que foram criados para a página. Esta arquitectura garante que as aplicações Web podem servir milhares de Requests simultaneos, sem que o servidor fique sem memória. A desvantagem é que precisamos de outras tecnicas para garantir que a informação das páginas se mantém entre Requests e possa ser utilizada quando necessário.
O ASP.NET, inclui uma grande variedade de opções no que toca a State Management. A opção correcta depende do tipo de dados que queremos guardar, onde queremos guardar, se está disponivel para um ou mais utilizadores, o nivel de segurança e performance que queremos obter.
Em baixo podem ver um quadro com as várias opções e qual o seu contexto de utilização.

Como podem ver existem muitas opções, felizmente, o ASP.NET fornece um modo de trabalhar semelhante para todas elas. Se estas formas de State Management não forem suficientes, podemos criar o nosso próprio mecanismo de State Management. Em baixo, veremos mais em pormenor estas ferramentas.

2. ViewState

Deve ser a nossa primeira escolha para guardar informação no contexto de uma única página. O View State é utilizado internamente pelo ASP.NET para guardar o estado dos controlos da página entre PostBacks.

O ViewState permite guardar todos os tipos de Objectos de .NET e as nossas próprias classes, desde que estajam marcadas com o atributo [Serializable].

O ViewState pode ser desactivado por controlo, por página ou por Site.

Para guardar dados no View State utilizamos a propriedade:

ViewState["NomeIdenfificativo"] = "Valor";

Para aceder ao View State:

string ValorViewState = ViewState["NomeIdenfificativo"].ToString();

Lembrar que o ViewState retorna um objecto, logo temos de fazer um “cast” para o tipo de objecto que queremos.

3. QueryString

Uma das desvantagens do ViewState, é o facto de só existir no contexto de uma página. Aqui entram as QueryStrings, permitem enviar informação entre páginas.

Este mecanismo é muito utilizado, por exemplo em motores de busca.

http://www.google.pt/search?q=pplware

A QueryString é o pedaço de texto a seguir ao “?”. Neste caso define uma única variável “q”, que contém o valor “pplware”.

A vantagem da QueryString é ser leve e não trazer nenhum fardo para o servidor. A desvantagem é os valores estarem visiveis para o utilizador e podem ser alterados.

Utilizar a QueryString:

string valor = "teste";   Response.Redirect("pagina.aspx?variavel=" + valor);

Receber valores de QueryString:

string valor = Request.QueryString["variavel"];
4. Cookies

São pequenos ficheiros que são criados no disco do cliente(ou na memória do Browser se forem temporários). As vantagens dos Cookies, podem ser utilizados por qualquer página do site e podem ser mantidos entre visitas. Estão limitados em termos de tamanho e de tipo de objectos que se pode guardar (string). Tem de se ter muita atenção, especialmente agora que estão cada vez mais a ser utilizados smartphones para aceder à internet, pois estes não permitem cookies.

Para utilizar os Cookies, usamos o Request para aceder e o Response para guardar.

HttpCookie cookie = new HttpCookie("Preferencias");   cookie["Lingua"] ="PT";   cookie["Pais"] ="PT";   Response.Cookies.Add(cookie);

Um cookie adicionado desta maneira, persiste até o browser ser encerrado. Para persistir tem de se definir a propriedade:

cookie.Expires = DateTime.Days.Add(1);

Para aceder a um cookie:

HttpCookie cookie = Reques.Cookie["Preferencias"];   string Pais = cookie["Pais"];

Para remover um cookie definimos a propriedade “Expires” com uma data que já passou.

5. Session

É o peso pesado do State Management. Permite que as informações persistam em todas as páginas do site. Cada utilizador que entra no site tem um SessionId diferente o que permite guardar informações por utilizador. A Session tem um peso grande para a memória do servidor.

Para guardar o SessionId entre Requests é utilizado um cookie chamado “ASP.NET_SESSIONID”. Se o browser não suportar cookies, é utilizado QueryString.

Este cookie só é criado quando guardamos algo na sessão, até lá, é sempre gerado um novo SessionId a cada Request.

Utilizar Session:

Session["Variavel"] ="valor";   string valor = Session["Variavel"].ToString();

É sempre necessário fazer “cast” para o tipo de objecto.

A sessão é global para toda a aplicação por utilizador. A sessão perde-se quando o utilizador fechar o browser, a aplicação fizer Restart ou terminar a sessão utilizando o método Session.Abandon();

Podemos configurar o comportamento da Sessão no Web.config. No atributo “SessionState”, podemos definir o timeout, o modo de guardar a sessão (memória do servidor, sql server, state server), se utiliza cookies, etc.

6. Application

Semelhante à Session mas, permite que os valores guardados sejam acedidos por qualquer utilizador da nossa aplicação. Esses valores perdem-se quando a aplicação fizer um Restart à pool.

Uma utilização corrente é contabilizar quantos utilizadores estão a utilizar a aplicação nesse momento, utilizando o global.asax.

Para utilizar a Application:

Application["Variavel"] = "valor";   string valor = Application["Variavel"].ToString();
7. Resumo

O State Management é a arte de reter informação entre Requests. Geralmente a informação é “user-specific” como por exemplo, items do carrinho de compras, username, nivel de acesso), mas por vezes pode ser global, como estatisticas que fazemos track no decorrer da aplicação. Como o ASP.NET utiliza uma arquitectura desconectada, é sempre preciso implicitamente indicar que queremos guardar/receber a informação a cada Request.

A ferramente que escolhemos para guardar estado pode ter um grande impacto na escalabilidade, performance e segurança da nossa aplicação.

Por hoje damos o tutorial por terminado. Para a semana vamos começar a desenhar a nossa aplicação. Caso tenham alguma questão já sabem, deixem um comentário em baixo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s