Analise o hardware e o desempenho do seu PC Windows com este software

Acabou de comprar um novo computador, o seu atual está a ficar mais lento ou trocou algumas peças para melhorar a velocidade? Estes são apenas alguns dos cenários onde poderá ser importante avaliar o desempenho do seu PC.

Para tal, existe software que o pode ajudar a fazer esta análise. Fique a conhecer algumas das melhores e mais fiáveis opções.

Software para analisar o hardware e o desempenho do PC

CPU-Z

O CPU-Z é um software que analisa e apresenta a informação de todo o hardware interno. É indispensável para, por exemplo, quem pretende alterar peças do PC e evitar problemas de incompatibilidade. No caso de querer comprar um computador em segunda mão, este software poderá ser útil para confirmar se inclui todo o hardware indicado pelo vendedor.


Speccy

O Speccy é um software dos mesmos criadores do popular CCleaner. Trata-se de um software com uma apresentação da informação de toda a configuração de hardware do PC, com interpretação simples.

Ao ter acesso a toda esta informação, o utilizador ainda pode selecionar cada um dos componentes e analisá-lo em pormenor. Nomeadamente analisando dados como a temperatura, potência, velocidades… e muito mais.


RealBench

O RealBench trata-se de um software de benchmarck da CPU com base em testes reais. Basicamente, são utilizados quatro testes, nomeadamente, Edição de Imagem, Codificação de Vídeo H.264, programação e execução de multitarefas exigentes.


SiSoftware Sandra Lite

O SiSoftware Sandra Lite é um pacote de benchmark indicado para utilizadores mais avançados. Aqueles que conhecem a fundo tudo sobre o funcionamento dos seus computadores. É ainda uma boa opção para o mundo empresarial que tem necessidade de realizar uma análise detalhada em vários computadores.


CineBench

O CineBench está disponível para Windows e também para Mac. Também com base em testes reais, o CineBench permite avaliar especificamente todos os núcleos disponíveis no processador. De referir que neste teste de benchmark, quanto maior a pontuação melhor será o desempenho.

Dica: Como saber onde a memória RAM está montada no seu PC e na sua motherboard

A memória é um dos principais componentes de um computador. É ali que são guardados os dados que as aplicações usam e que precisam de consultar de forma recorrente e rápida. Claro que o Windows gere esta memória de forma automática e eficiente.

Muitos optam por aumentar a memória RAM do seu computador, para assim este ser mais rápido e eficiente. A pergunta é muitas vezes: onde e de que forma a RAM está aplicada na motherboard? O Windows tem a resposta, de uma forma muito simples e rápida.

Saber em que slots está a memória colocada na motherboard é importante para quem quer conhecer a sua máquina ou para quem a quer atualizar. Dependendo do número de slots ou da memória colocada, esta atualização poderá ter de ser feita de forma específica ou até mesmo ser impossível.

Onde está montada a memória RAM no seu PC

O Windows tem presente esta informação, um local que a maioria não conhece. Optam por usar programas externos, que assim dão esta informação. Se abrirem o Gestor de Tarefas (Ctrl + Alt + Del, tecla Windows + X ou Ctrl + Shift + ESC), vão ter mais informações.

Windows RAM memória motherboard

Ai dentro, no separador Desempenho, há muito mais informação. Escolham depois Memória e recolham a informação do lado direito. Aí têm a velocidade da memória, a sua forma e as ranhuras utilizadas.

O Windows tem toda a informação necessária

Nesta última encontram o número de slots presentes e quais destes estão ocupados nesse momento. Como seria esperado, o Windows tem ainda mais informação útil para dar ao utilizador. Esta está ainda mais escondida.

Windows RAM memória motherboard

Precisam apenas de manter o cursor do rato em cima da área das ranhuras utilizadas. Em pouco segundos é apresentada a informação da quantidade de memória RAM cada uma das slots têm a ocupar. Podem ver o tamanho e a velocidade de cada pente de RAM aplicado em cada ranhura.

Esta informação, de extrema importância, é útil para muitos utilizadores. Desta forma simples podem ter acesso a ela sem terem de abrir a máquina ou arriscar sem saber se conseguem realizar a pretendida atualização.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux

O Linux é o sistema preferido dos administradores de sistemas para implementação de serviços de suporte a redes de comunicação. Até a própria Microsoft já admitiu que no seu serviço Cloud, o Azure, existem mais máquinas Linux que máquinas Windows.

Para quem costuma fazer administração de sistemas em Linux, aqui ficam 10 ferramentas com interface gráfica.

#1 – MySQL Workbench

O MySQL Workbench é uma fantástica ferramenta que permite o desenho e gestão de base de dados. Com esta app pode criar diagramas EER, gerar scripts SQL, gestão de utilizadores, fazer consultas às bases de dados, backups, gestão de privilégios, criar funções e muito mais.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (1)


#2 – phpMyAdmin

O phpMyAdmin é uma ferramenta gratuita, escrita em PHP, e que permite de forma muito simples fazer a administração das nossas bases de dados através de um simples browser.

Através de um interface bastante intuitivo e organizado, o phpMyAdmin permite a qualquer utilizador fazer um gestão simplificada do MySQL e das respetivas bases de dados.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (1)


#3 – ZPanel

O ZPanel é uma interface Web gratuita, ao estilo de um painel de controlo, que permite gerir o serviço de hosting. Este serviço foi desenhado para correr sobre Windows e sistemas POSIX como é o caso do Linux, UNIX e macOS).

Esta solução dá a possibilidade de transformarmos qualquer servidor (profissional ou caseiro) num autêntico gestor de serviços de alojamento.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (1)


#4 – Zenmap

Na área da segurança informática existem muitas ferramentas interessantes para avaliar se um sistema está vulnerável ou não. Imagine, por exemplo, que sem se aperceber, executou um exploit e este abriu um porto de comunicação no seu sistema?

Uma das melhores ferramentas para avaliar se a sua máquina tem portos de comunicação abertos é o Nmap (ou Zenmap que tem interface gráfica).

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (1)


#5 – CUPS

Para quem não conhece o Common Unix Printer Service (CUPS) foi desenvolvido inicialmente pela Easy Software Products, tendo a gigante Apple comprado o código fonte em 2007. O CUPS  é um sistema de impressão e configuração open source que oferece aos utilizadores do mundo Linux uma interface Web simples para configuração das mais diversas impressoras.

Este serviço permite a instalação de impressoras locais (ligadas via USB ou LTP) ou então a instalação de impressoras remotas que usem o protocolo IP.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (1)

#6 – Cockpit

Cockpit é uma ferramenta de administração gráfica (web-based), que nos permite administrar facilmente o nosso Sistema Linux/Unix.

Desta forma, através de um simples browser, poderemos controlar/gerir de qualquer parte do mundo o “poderoso motor” do nosso Linux/Unix.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (2)

Cockpit

#7 – Webmin

O Webmin é uma ferramenta de administração gráfica (web-based), escrita por Jamie Cameron, que nos permite administrar facilmente o nosso Sistema Linux/Unix. Desta forma, através de um simples browser, poderemos controlar/gerir de qualquer parte do mundo o “poderoso motor” do nosso Linux/Unix.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (2)

Webmin

#8 – Froxlor

Tal como o CPanel, o Froxlor é uma ferramenta de administração gráfica (web-based), que permite gerir múltiplos serviços por utilizador. Por exemplo, permite e os utilizadores usem certificados SSL por domínio, escolham qual o endereço IP e porta a usar por domino, definam o template/tema que pretendam, monitorizem os vários serviços através de gráficos interativos, etc.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (2)

froxlor

#9 – Ajenti

Ajenti é uma ferramenta open source que funciona estilo um painel de controlo para gestão dos mais diversos serviços numa máquina Linux, como, por exemplo, Apache, Cron, File System, Firewall, MySQL, Nginx, Munin, Samba, FTP, Squid… e muitos outros.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (2)

ajenti

#10 – Apache Directory

O Apache Directory Studio é uma plataforma desenhada para ApacheDS, mas pode funcionar como uma browser LDAP, LDIF e editores de ACLs.

TOP 10 apps com GUI para Administradores de sistemas Linux (2)

Apache Directory

DistroTest: Experimente mais de 200 distros Linux no browser

É verdade que nem todos se aventuram a instalar uma distribuição Linux no computador. Apesar das muitas evoluções, ainda há a ideia que são precisos muitos conhecimentos para instalar e saber usar qualquer distribuição Linux.

Para quem quiser experimentar uma distribuição Linux (entre uma lista de 200), espreite já o site DistroTest.

Antes de dizer que não gosta de uma determinada distribuição Linux… experimente-a! Para isso existe o site DistroTest que permite experimentar mais de 200 distribuições sem as ter de instalar.  De referir ainda que pode experimentar as mais diversas versões das distribuições disponíveis.

DistroTest: Experimente mais de 200 distros Linux no browser

 Como experimentar distribuições Linux no DistroTest?

Experimentar qualquer uma das distribuições Linux disponíveis no site é simples. Para isso basta escolher uma delas, e depois carregar em System start.

DistroTest: Experimente mais de 200 distros Linux no browser

Depois basta aguardar uns minutos até que a distribuição arranque. De referir que esta plataforma usa o QEMU como tecnologia de virtualização e o sistema operativo que dá suporte às máquinas de virtualização (so site) é o Debian.

Este site aloja atualmente 228 sistemas operativos e 714 versões dos mesmos. Pode experimentar qualquer um deles, sem qualquer limitação. Entre as distribuições disponíveis, podemos encontrar as populares como o Ubuntu, Debian, Fedora, openSUSE e até o Arch Linux.

DistroTest

Dica: Como limpar rapidamente a pasta de ficheiros temporários no Windows 10

A gestão de espaço em disco é sempre um item que os utilizadores precisam de se preocupar. É sempre um equilíbrio complicado de manter e que requer alguma atenção especial.

O Windows 10 tem ferramentas que permitem fazer esta gestão de forma automática e em períodos específicos de tempo. Hoje vamos mostrar como podem ganhar espaço apagando manualmente a pasta de ficheiros temporários no Windows 10.

Com o passar do tempo, o Windows 10 vai acumulando ficheiros que não precisa e que criou de forma temporária. Estes servem para conter informação limitada de não permanente, acabando por ficar esquecidos até serem limpos.

A Microsoft dotou o Windows 10 com uma forma simples de remover manualmente estes ficheiros, para assim ganhar de imediato espaço adicional no disco para armazenar outros dados.

Validar o espaço ocupado pela pasta de ficheiros temporários

A forma mais simples de fazer esta limpeza é acedendo às Definições do Windows 10. Aí dentro devem escolher a opção Sistema, para conseguirem validar o espaço ocupado pelos diferentes tipos de ficheiros.

A informação referente ao espaço ocupado irá estar no separador Armazenamento. Do lado direito vão ver uma lista de áreas de armazenamento e o respectivo espaço ocupado.

Podem ver a lista na totalidade se escolherem a opção Mostrar mais categorias. Esta irá expandir revelar outras áreas e tipos onde existe espaço ocupado e que pode ser gerido.

A área mais simples de gerir é mesmo a de Ficheiros temporários. Esta pode ser eliminada a qualquer momento e garante, por norma, ganhos de espaço significativos.

Limpar o espaço dos ficheiros temporários do Windows 10

Para eliminar estes ficheiros do Windows 10 basta escolher a entrada referente aos Ficheiros temporários e aguardar enquanto este é populado com informação detalhada.

Depois, só precisam de escolher o que querem apagar, da lista apresentada. Validem o tamanho e também os tipos de ficheiros que estão presentes. No final só precisam de carregar no botão Remover ficheiros.

Este deve ser uma utilização pontual, até porque o Windows 10 tem já automatismos para gerir estes espaços. Ainda assim, importante e garante de imediato espaço extra aos utilizadores. Elimina ficheiros não essenciais e que certamente estão apenas a consumir espaço necessário.

Dica: Carregue dados para o Excel através de uma fotografia do seu smartphone

As apps que temos no smartphone devem melhorar o nosso dia a dia. Precisamos que elas agilizem processos repetitivos e que consomem demasiado tempo.

Um excelente exemplo surge agora, com uma novidade no Excel do Android e iOS. Estas apps permitem que se carreguem dados usando uma simples e rápida fotografia.

Esta novidade já tinha sido falada e revelada pela Microsoft. Agora, e dando continuidade aos muitos desenvolvimentos, chegou para ser usada por todos. Basta apontar a câmara para uma tabela e esta será carregada.

Como carregar dados para o Excel com uma fotografia

Para iniciarem este processo devem ter instalado o Excel, para Android ou iOS. Só precisam por isso de abrir a app e escolher a opção de criar um novo documento.

Escolham o tipo que querem usar, tipicamente um livro em branco e sem qualquer modelo associado. Entrem no documento e preparem-se para carregar dados.

Captar uma imagem com os dados de uma tabela

De seguida, e na zona inferior do documento, vão encontrar o ícone para captar a imagem. Carreguem então na tabela com a máquina fotográfica para iniciarem o processo.

Neste momento só precisam de apontar a câmara para a tabela que querem importar. Podem fazê-lo tanto na vertical como na horizontal. Preocupem-se em enquadrar a tabela e que os dados sejam visíveis.

Validar e otimizar os dados captados

Agora que a tabela está na imagem, o Excel irá convertê-la para dados. Validem apenas a imagem, a tabela e o que fotografaram. Podem reduzir a imagem e até cortar parte da tabela.

Por fim o Excel vai mostrar os dados que tem para importar. A vermelho vão estar marcadas as células que podem necessitar de correção ou que o Excel tenha dúvidas dos dados.

Corrigir a informação importada pela imagem

Cada uma das células marcadas pode ser alterada e corrigida. O Excel vai passar por todas, podendo o utilizador corrigir ou ignorar a necessidade de alteração.

Por fim, e depois de tudo validado, a tabela será carregada a folha da app. Do que testámos, esta funcionalidade tem uma grande precisão e está madura para ser usada de forma constante.

Esta é mais uma excelente ferramenta que a Microsoft adiciona ao Excel, ainda que na versão para smartphone. Testem e vão ver a sua utilidade e capacidade de ler dados de imagens.

Dica: Como ativar e usar a nova Sandbox do Windows 10 e ter mais segurança

Ao longo dos últimos meses a Microsoft esteve a desenvolver a mais recente atualização do Windows 10. São muitas as novas opções e as novidades que temos para usar.

Uma delas vem trazer uma nova camada de segurança ao Windows 10, através de uma simples Sandbox, que isola os potenciais problemas. Agora vamos aprender como podem ativar e usar a nova Sandbox do Windows 10.

Esta é uma das muitas novidades da Microsoft que foram preparadas para dar ainda mais segurança ao Windows 10. Vão isolar processos inegavelmente duvidosos e perigosos.

Com esta Sandbox os utilizadores podem aceder a sites duvidosos e testar apps de forma rápida. É uma VM do Windows 10, básica e com o mínimo. Contém apenas com o Edge e pouco mais.

Como usar a nova Sandbox do Windows 10

Após a instalação da atualização de maio de 2019, essencial para ter a Sandbox, devem garantir que têm a virtualização ativa na BIOS. Com estes elementos, estão prontos para ativar esta novidade do Windows 10.

Sandbox Windows 10 Microsoft atualização maio

Comecem por escrever na caixa de pesquisa do Windows 10 o termo “funcionalidades do Windows“. Dai conseguem chegar à função Ativar ou desativar funcionalidades do Windows.

Uma vez nessa área do sistema operativo, devem procurar a opção Sandbox do Windows. Esta estará inativa e por isso devem carregar na caixa de seleção para a ativar.

Caso não esteja visível ou seja possível ser ativada, validem a instalação da atualização do Windows 10 e a ativação da virtualização na BIOS.

Sandbox Windows 10 Microsoft atualização maio

Para terminarem devem apenas carregar no botão OK e reiniciar o sistema operativo quando tal for pedido pelo sistema operativo.

Sem o reiniciar do Windows  a Sandbox não irá estar disponível para utilização e nem surgirá na pesquisa do sistema operativo.

Como usar a nova Sandbox do Windows 10

Agora que esta novidade do Windows 10 está disponível, só precisam de escrever na caixa de pesquisa Sandbox para a poderem usar. Esta surgirá para execução, devendo ser escolhida.

Sandbox Windows 10 Microsoft atualização maio

Após alguns momentos, o suficiente para carregar a nova máquina virtual, estar estará pronta para ser usada. Recordamos que é uma cópia do Windows 10 presente no computador, mas sem qualquer app ou configuração específica.

Podem contar com o Edge e pouco mais para navegar na Internet ou para executarem uma app em que não confiem.

Será uma área em que podem testar tudo o que pretendem, com a segurança de ser uma área isolada do Windows e que não poderá transmitir dados para o sistema base.

Sandbox Windows 10 Microsoft atualização maio

Devem também ter presente que assim que a Sandbox for fechada todos os dados presentes vão desaparecer. Estes não vão ser guardados e nem ser pressistentes para futuro.

Esta é uma premissa de uma Sandbox e da segurança que traz para os utilizadores. Vai até mas longe e não permite qualquer transmissão de dados entre si e o sistema anfitrião.

A Sandbox do Windows 10 é provavelmente uma das maiores e melhores novidades que a Microsoft colocou na atualização de maio. Lembrem-se de a usar sempre que quiserem isolar a vossa máquina da Internet e garantir uma segurança ainda maior.

Ransomware e pishing

Os nossos computadores estão a tornar-se vítimas cada vez mais frequentes de ransomware. Todos nós estamos em perigo, mas com a informação certa é possível manter as ameaças longe.

Para que consiga detetar que está sob ameaça e para conseguir driblar o problema, leia este artigo e saiba como proceder.

O que é o ransomware?

Há vários tipos de malware por aí, embora o mais temível de todos seja o ransomware. É por isso que é importante saber exatamente do que se trata, para que se possa proteger dele.

O ransomware é um tipo bastante perigoso de malware que infeta todo o computador. Desta forma, impede que o utilizador tenha acesso aos dados e ficheiros pessoais. Para voltar a ter acesso a tudo, é exigido o pagamento de um resgate. O ransomware é especialmente ganancioso, já que ele não só bloqueia o acesso aos ficheiros pessoais, mas também exige que um pagamento anónimo seja feito para que o utilizador possa aceder às suas informações novamente. O pagamento exigido pode ser através de cartão de crédito ou de criptomoedas.

Isto pode tornar-se um caso bastante angustiante, caso o utilizador possua informações importantes armazenadas no seu computador. E, sejamos sinceros, quem é que não possui hoje em dia?

Como se pode identificar um ransomware?

Como mencionado inicialmente, há uma abundância de programas maliciosos que podem ser encontrados na Internet hoje em dia. É, por isso, importante saber como identificá-los.

Estas são as características normais de um ransomware para que possa perceber se foi infetado por este malware:

Encriptação de dados. Se o seu computador foi atacado por um ransomware, irá receber uma mensagem no seu computador com a informação de que os seus ficheiros pessoais foram encriptados e que precisa de uma chave especial para desbloqueá-los.

Pedido de resgate. Segue-se então o pedido de resgate. Irá surgir uma mensagem a indicar que é necessário pagar pela chave para desbloquear os ficheiros. Geralmente, uma grande quantia de dinheiro. Mais, é habitual haver a indicação de que o pagamento deve ser feito imediatamente. Muitas vezes, esta mensagem faz-se acompanhar de uma contagem regressiva, aumentando o valor do resgate com o passar do tempo.

Infelizmente, o pagamento do resgate nem sempre significa que o problema vai ficar resolvido. Poderá gastar o seu dinheiro e nunca ter acesso à chave. O que acontece com mais frequência é que, quando o programador do malware percebe que o dono dos ficheiros estava disposto a pagar o valor do resgate, acaba por exigir mais dinheiro.

O velho ditado popular: Vale mais prevenir que remediar

É por isso que é bastante importante que o utilizador tenha um papel preventivo na Internet. O dinheiro gasto, a perda de ficheiros e a frustração que daí poderá advir poderão ser minimizados se tiver uma atitude de prevenção.

O utilizador será sempre o culpado. Ou porque foi negligente nos links a que acedeu, ou nos ficheiros de origem duvidosa que descarregou para o seu PC.

O que fazer e o que não fazer em caso de infeção

E se se tornar uma vítima do ransomware e não souber o que fazer? Siga estas recomendações para andar no caminho certo e saber como lidar com esse problema.

Diga não ao pagamento do resgate! Embora seja assustador ver uma contagem regressiva a dizer que precisa pagar uma quantia de resgate se não quiser que algo horrível aconteça, evite fazê-lo. Pagar o resgate só ajuda a enriquecer esses criminosos e não há garantia de que eles lhe vão entregar a chave para desbloquear os seus ficheiros. Geralmente, optam por aumentar o valor do resgate, pedindo que as vítimas paguem mais e mais dinheiro sem oferecer uma solução.

Não dê aos criminosos nenhuma das suas informações pessoais, como o seu endereço de email, número de telefone ou endereço da sua casa. É facto que os criminosos entram em contacto com as vítimas através de outros métodos. Ligam a fingir ser técnicos ou suporte ao cliente, querendo ajudar a resolver o problema, quando, na verdade, apenas querem perpetuar o crime.

Outra ação a fazer é tentar reverter os ficheiros afetados pelo malware a uma versão anterior, isso poderá ajudá-lo a recuperar as suas informações.

Como proteger o seu computador contra a infecção de um ransomware

Atualize os seus programas frequentemente. Software desatualizado está mais suscetível à infeção de um ransomware.

Evite clicar em links ou anexos de e-mail suspeitos. Não clique em links de endereços de email que não conhece ou que não estão na sua lista de contatos. Os emails maliciosos geralmente vêm com links para descarregar um programa malicioso como um spyware ou um ransomware que dificilmente removerá do seu computador.

Faça backup dos seus ficheiros. Crie backups das fotos, documentos e de outros dados com frequência e armazene-os num qualquer serviço de cloud, como o Google Drive ou o Dropbox. Desta forma, se for afetado por um ransomware, poderá recuperar os seus ficheiros.

Antivírus e firewall. Instale um programa antivírus e um sistema de firewall decentes no seu computador. Serão executados em segundo plano e irão proteger o seu PC de qualquer tipo de malware.

Exemplo de Phishing:

Segundo uma publicação no Facebook, a PSP foi alertada por um utilizador para o facto de estar a decorrer um passatempo duvidoso em nome dos CTT. Em declarações, o utilizador refere que recebeu um link qual informava que teria sido um vencedor para ganhar um iPhone, através de um passatempo CTT…

Bom dia caro Comissário João Moura,

envio esta mensagem como ato de preocupação à população e como utilizador atento às fraudes e burlas na internet!

Hoje logo de manhã, sem abrir qualquer site ou aplicação “manhosos”, recebi um link para o meu telemóvel no qual me informava que teria sido um vencedor para ganhar um iPhone, através de um passatempo CTT…

Gostava que pudesse verificar e ou fiscalizar este tipo de ações e detetar o autor deste site, que até está muito bem feito para quem percebe pouco de web…

Mesmo os comentários parecem reais e credíveis… Apelo à vossa atenção a este tipo de fraude com o objetivo de extorquir algo, de certeza… Muito obrigado pela sua atenção, um bom trabalho!”

Passatempo dos CTT? PSP alerta para fraude online

Na verdade este tipo de esquema, denominado de Phishing, tem como objetivo obter informações de um utilizador. O Phishing é uma técnica de fraude online, que normalmente chega pelo correio eletrónico (o engodo). Esta técnica é utilizada por criminosos no mundo da informática para roubar as palavras passe dos bancos, das contas de serviços, basicamente de tudo o que possa trazer benefícios aos criminosos e problemas aos lesados.

A expressão phishing (pronuncia-se “fichin”) surgiu a partir da palavra em inglês “fishing”, que significa “pescar”. Ou seja, os criminosos utilizam esta técnica para “pescar” os dados das vítimas que “mordem o anzol” lançado pelo phisher (“pescador”), nome que é dado a quem executa um phishing. Basicamente é uma técnica de engenho social que leva as pessoas, incautas, a serem enganadas e “morderem o tal anzol”.

O e-mail pode, por exemplo, direccionar o utilizador a visitar uma página da Internet onde será solicitado a actualizar as suas informações pessoais, passwords, cartões de crédito, contas do banco e outros dados que uma organização normalmente solicita possui.

Cuidado com o que parece mas não é, olhe sempre para o Endereço

Uma tentativa de phishing pode acontecer através dos websites ou de e-mails falsos, que imitam a imagem de uma empresa famosa, que para si é de confiança para poder chamar a atenção das vítimas. Normalmente, os conteúdos dos sites ou e-mails com phishing prometem promoções extravagantes (dinheiro fácil) para o utilizador que vagueia pela Internet ou que visita o seu correio electrónico faça actualização da ficha do banco ou actualize os dados de determinado serviço, com ameaça, muitas vezes, de cancelamento da conta.

pplware_Phishing01

Armadilhas simples mas eficazes

O utilizador, principalmente alguns menos informados ou com menos anos de experiência, lá introduzem os dados e até passam códigos secretos. Depois, submetem os dados e nem dão conta que estão a ser redireccionados para páginas falsas e que depois os criminosos terão acesso aos seus dados bancários e às suas contas bancárias, muitas vezes começam por ter acesso à sua conta de mail para receber os novos códigos bancários ou até dados da matriz que actualmente os bancos utilizam.

Cuidados a ter

Nunca actualize qualquer ficha online. Não coloque nunca o seu código secreto num pedido vindo por mail. O seu banco não lhe pede nenhum dado por mail, desconfie sempre de promoções mirabolantes, ninguém dá nada a ninguém. Nunca deixe os códigos dos seus cartões de crédito nos formulários e tenha cuidado com os textos que contenham erros e muitas vezes escritos com “brasileirismos”.

 

Assinatura digital com Chave Móvel

Já é possível assinar documentos de forma digital recorrendo ao Cartão de Cidadão ou simplesmente fazendo uso da Chave Móvel Digital. Tanto para um, ou outro caso, é necessário que a Assinatura Digital esteja ativa.

A Chave Móvel Digital (CMD) é um sistema simples e seguro de autenticação dos cidadãos em portais da Administração Pública na Internet e recentemente passou a estar disponível também em alguns sites de empresas privadas.

A assinatura digital permite ao titular de Chave Móvel Digital com funcionalidade de assinatura ativa, por vontade própria, assinar documentos em formato pdf.

Como ativar a sua Assinatura Digital para usar com a Chave Móvel Digital

Ativar a Assinatura Digital para usar com a Chave Móvel Digital é um procedimento relativamente simples. Para isso basta que siga os seguintes passos:

Passo 1) Aceder ao portal Autenticação.GOV e proceder à autenticação

Escolham o método de autenticação… (no nosso caso escolhemos o telemóvel como método de autenticação)

Em seguida procedemos a autenticação usando o código que nos foi enviado.

Depois de procederem à autenticação, escolham no menu lateral esquerdo a opção “Chave Móvel Digital”. Do lado direito ativem a subscrição da Assinatura Digital.

 

Depois de realizados os passos anteriores, aguardem um momento até que a a subscrição da Assinatura Digital seja ativada. Feito isso, podem começar a assinar digitalmente documentos usando única e exclusivamente a Chave Móvel Digital.

Como assinar Documentos com a sua Chave Móvel Digital?

Para começar deve aceder aqui ao site autenticação.gov. Comece por carregar em Avançar para dar início ao Processo.

Como assinar Documentos com a Chave Móvel Digital

Em seguida indique qual o documento que pretende assinar.

Como assinar Documentos com a Chave Móvel Digital

O próximo passo é indicar o posicionamento da sua assinatura. Deverá assim escolher qual a orientação do PDF e a respetiva posição da assinatura no documento. Se o documento tiver mais do que uma página, também poderá indicar em que página pretende.

Como assinar Documentos com a Chave Móvel Digital

Proceda à autenticação através da Chave Móvel digital indicando o seu número de telemóvel.

Como assinar Documentos com a Chave Móvel Digital

Indique o código de segurança recebido via SMS ou o apresentado na app Autenticação.GOV.

Como assinar Documentos com a Chave Móvel Digital

E por fim é só fazer download do seu documento assinado, com a assinatura digital, que aparecerá no local que foi indicado anteriormente.

Para quem não tem leitor de cartões, pode sempre  utilizar a Chave Móvel Digital para proceder à assinatura digital de documentos. Fantástico serviço! Experimentem…

Nota Importa: Para utilizar este procedimento, deverá ter a chave móvel associada ao seu número de telemóvel.

Tiny Core: A distribuição Linux que ocupa apenas 16MB

Precisa de uma distribuição Linux que seja mesmo “minúscula”? E que tenha ambiente gráfico? E que ocupe poucos MB após instalação? Parece ser algo impossível, mas existe uma distribuição Linux capaz de cumprir todos estes requisitos.

Chama-se Tiny Core e a versão atual tem apenas 16 MB.

O Tiny Core é uma das distribuições Linux mais pequenas, mas não é por isso que não tem as ferramentas que precisa. Esta distribuição traz consigo as aplicações essenciais para um funcionamento básico do sistema.

Tiny Core: A distribuição Linux que ocupa apenas 16MB

O Tiny Core Linux foi desenvolvido para ser executado a partir da memória RAM, o que torna esta distribuição bastante rápida.

O Tiny Core 10 está disponível para sistemas com arquitetura de 32 bits e 64 bits. Esta versão do Tiny Core ocupa apenas 16 MB. Além desta versão está também disponível a versão CorePlus-10.0 que ocupa 106MB e inclui o flwm, JWM, IceWM, Fluxbox, Hackedbox, Openbox. Existe também uma versão do Tiny Core denominada apenas Core que ocupa 13 MB.

Tiny Core: A distribuição Linux que ocupa apenas 16MB

Esta é uma distribuição muito fluída e em certa parte muito completa, tendo em conta o tamanho que ocupa. Se tem por casa um computador muito antigo, experimente instalar o Tiny Core 10 e digam-nos o que acharam.

Tiny Core