Comandos Linux para Totós – Tutorial nº7

Comandos Linux para Totós – Tutorial nº7

Criado por Pedro Pinto em 18 de Agosto de 2011 | 23 comentários

Ora vivam !!! Cá estamos nós para mais uma rubrica “Comandos Linux para Totós” e hoje vamos falar sobre processos em Linux. Quando uma aplicação está a correr no sistema é comum designar-se de processo. Os processos estão presentes em quase todos os sistemas operativos e para quem é utilizador do Windows certamente já recorreu ao conjunto de teclas CTRL+ALT+DEL para “matar” um processo que esteja a correr.

Hoje vamos aprender como visualizar e “matar” processos no Linux.

totos

Para visualizar todos os processos que estão em execução no sistema usamos o comando «ps» (process-statistics).

O comando ps tem vários argumentos, no entanto o conjunto mais usual é ps aux:

ppinto@koala:~$ ps aux
USER       PID %CPU %MEM    VSZ   RSS TTY      STAT START   TIME COMMAND
root         1  1.6  0.3   2532  1372 1        Ss   13:56   0:01 /sbin/init
root         2  0.0  0.0      0     0 1        S<   13:56   0:00 [kthreadd]
root         3  0.0  0.0      0     0 1        S<   13:56   0:00 [migration/0]

Explicação do output anterior

  • USER – nome do utilizador que possui (iniciou?) o processo.
  • PID – process identification (identificação do processo).
  • %CPU – ocupação do CPU (desde a última actualização do ecrã).
  • %MEM – ocupação da memória física (memória RAM).
  • VSZ – quantidade de memória virtual usada pelo processo
  • RSS – kilobytes de memória física usados.
  • TTY – Indicação do terminal onde está a correr o processo
  • STAT – S-sleeping, R-running, T-(parado ou em trace), D-uniterruptable sleep, Z=zombie.
  • TIME – tempo total de CPU usado pelo processador (desde quando foi iniciado)
  • COMMAND – comando usado para iniciar o processo

Outras utilizações do comando ps

ps -e
ps -ef
ps -eF
ps -ely
Matar e enviar sinais a processos

O comando «kill» pode enviar vários tipos de sinais a um processo. Por omissão, caso não seja especificado nenhum outro, o sinal enviado é o TERM (terminate).

O sinal KILL garante que o processo é mesmo terminado.

Exemplo de utilização:

Kill -KILL 315
ou
kill -9 315

Para obter uma lista de todos os tipos de sinais disponíveis pode usar o comando kill -l

kill_00

O comando «killall», permite matar processo pelo nome. Serve para enviar sinais a todos os processos que estão a executar um determinado programa. Se por exemplo pretendemos terminar o vi (editor de texto do Linux) podemos executar o comando:

killall vi

E por hoje é tudo. Percebem agora porque se usa regularmente o kill –9, que como eu costumo referir, é matar um processo sem dó nem piedade. Além do ps podem também dar uma vista de olhos no comando top e htop (ver aqui).

Até à proxima! kill post

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s